Restaurações Classe IV: como alcançar bons resultados

Compartilhe:

Existem muitos protocolos e técnicas para restaurar um dente e conseguir um excelente resultado. Para isso, precisamos escolher um protocolo de fácil reprodução e que seja viável financeiramente em todos os casos do nosso dia a dia de consultório.

Uma situação clínica desafiadora são as restaurações Classe IV, onde precisamos restabelecer forma, cor e função. Nesses casos temos duas situações clínicas que podem acontecer:

1 – Troca de restauração Classe IV insatisfatória;
2 – Situação emergencial onde o paciente chega no consultório com o dente fraturado.

Por que não utilizar?

Apesar de parecer que a técnica sem guia é mais fácil e rápida, eu vou te convencer a não a utilizar. Veja algumas razões:
• Quando apoiamos o dedo não conseguimos confeccionar uma camada fina de esmalte palatino. Sendo assim, a nossa estratificação ficará prejudicada, pois teremos menos espaço para a resina de dentina, tendo grandes chances de errar a cor e deixar a restauração visível;
• Quando apoiamos o dedo confeccionamos uma face palatina plaina, e sabemos que morfologicamente a face palatina dos incisivos se assemelha a uma pá, com concavidade palatina e cristas marginais com maior volume de esmalte. Ficando plaina, você terá um ajuste oclusal grande a ser realizado e provavelmente não conseguirá pontos de contato bem distribuídos.

Passo a passo: classe IV

Dessa forma, vou ensinar a confeccionar a barreira palatina diante das duas situações clínicas possíveis.
Situação clínica onde temos uma restauração insatisfatória

– Melhore a anatomia da restauração antiga acrescentando resina (pode ser uma que você não goste, não use). Refaça a escultura da região palatina acrescentando resina nas cristas marginais, na incisal, onde for necessário. Com uma broca esférica ou em chama dê forma a concavidade palatina.
– Verifique a oclusão marcando com um carbono, faça os ajustes se necessário;
– Usando um silicone de condensação ou de adição copie a região palatina;
– Recorte os excessos da barreira;
– Inicie a remoção da restauração antiga e dê continuidade ao processo restaurador.

Situação clínica emergencial – Dente fraturado

• Molde a região com alginato;
• Use um gesso de presa rápida Elite Arti-Zhermack, pega presa em 3 minutos;
• Com o modelo em mãos fica muito mais fácil restaurar. Podemos utilizar cera ou uma resina fotopolimerizável que você não usa para restabelecer a face palatina. Passe adesivo no gesso caso prefira fazer em resina;
• Feito todos os ajustes e detalhes, confeccionamos então a barreira palatina/guia de silicone.
Na hora da estratificação atente-se a alguns detalhes:
• A seleção das resinas, assim como a observação dos aspectos ópticos deve ser realizada no início de todo o processo, com os dentes hidratados;
• Confeccionar um bisel vai ajudar a esconder a linha dente/restauração;
• A primeira camada será confeccionada apoiando a resina na barreira e dessa forma ela ficará com formato ideal e espessura fina (0,5 a 1,0 mm);
• Utilize uma dentina, na saturação correta, exatamente na linha da fratura. Em um segundo incremento de dentina, e antes de confeccionar os mamelos, verifique a espessura com o auxílio da espátula LM Misura. Dessa forma deixaremos a espessura correta da última camada de resina de esmalte;
• Para finalizar, use o último incremento de esmalte.

Fonte: Blog Dental Cremer. Disponível em: http://blog.dentalcremer.com.br/restauracoes-classe-iv/. Acesso em: 06/02/2018.